Kölnisch Wasser 4711
Viajar na Alemanha

Kölnisch Wasser 4711

Tatiana Tatiana Vieira
14 de fevereiro de 2018
120
0

Certamente você já ouviu a palavra colônia relacionada a diversas fragrâncias, mas talvez não saiba o que tem a ver com a cidade de Colônia, na Alemanha. 

Em mais de três séculos de existência, a água já foi referida como refrescante, cheirosa, luxuosa e até milagrosa. Provando que nada tem a ver com o termo que comumente conhecemos, um perfume com baixa concentração em essência. É justo o seu contrário.

É a marca de perfumes mais antiga do mundo, numa época em que banhos eram esporádicos [ e ainda não são tão frequentes assim xD ], por acreditar-se que a água transmitia doenças. 

Encontrou grande espaço no mercado de quem ansiava  frischluft, o famoso ar fresco, como se diz em alemão.

E não é qualquer água. Era conhecida como aqua mirabilis [ água maravilhosa ], tornando-se depois Água de Colônia, em homenagem à cidade e é considerada um tesouro cultural de Colônia.

A solução veio de fora, com o imigrante italiano Johann Baptist Farina fundando, que em 13 de julho de 1709, a G.B. Farina, abriu uma loja que logo mudou de endereço e nomes [ detalhes no final ], ganhando fama anos mais tarde como Johann Maria Farina gegenüber dem Jïlichs-Platz [ Johann Maria Farina em frente à praça Jülichs-Platz ]. 

Em uma carta enviada a Baptist, Johann Maria Farina descreveu o momento da concepção do aroma: "Encontrei um cheiro que me lembra uma manhã na Itália, narcisos da montanha e folhas de laranja depois da chuva. Ele me refresca e fortalece meus sentidos e minha fantasia." 

No princípio, os frascos que continham a agradável mistura de cheiros eram um artigo de luxo tão caro que não passavam de um mero sonho de consumo dos proletários. Por isso, há quem diga que a Água de Colônia era o "cheiro dos ricos", oferecendo um aroma fresco e revitalizante, contrastante com os perfumes fortes usados na época, como os à base de almíscar. Por isso, o líquido comercializado pelos Farina foi conquistando a aristocracia, atestando suas qualidades terapêuticas, entre homens e mulheres, no combate ao calor e o stress diário.

Mozart, Beethoven, Napoleão Bonaparte, monarcas da Prússia, da Inglaterra e de Portugal, foram alguns dos clientes famosos da perfumaria Farina. Dizem também que o poeta Johann Wolfgang von Goethe se inspirava com pedaços de pano exalando o perfume, além de um ilustre usuário das Américas, John F. Kennedy.

Nesse maravilhoso edifício em que se encontra o museu, existe um relógio no topo e a cada hora um carrilhão toca uma música. Os passantes aguardam ansiosos para ver o espetáculo, especialmente na época de Natal.

Visitar a loja é uma verdadeira imersão. Da porta você já sente o aroma, que vem de uma fonte, deixando transbordar a fragrância e o despertar de sensações.

Na pequena galeria há um museu com fotos, medalhas, certificados e frascos antigos do perfume. Relatos históricos desta famosa marca estão espalhados nas vitrines do pequeno museu e na entrada da loja.

Algumas dicas dadas aos visitantes [ anota aí ]:
  • Existe perfume bom e perfume ruim. O feito com produtos de qualidade e até raros garantem seu sucesso e duração.
  • O melhor lugar para passar perfume é nos cabelos, alongando sua permanência.
  • O cheiro do perfume se altera de acordo com o sexo e a cor da pele.
  • Ao passar perfume, não esfregue. Nosso corpo reage com a fragrância e você terá um resultado diferente.
Onde encontrar por preços mais acessíveis:

Na DM, existem miniaturas da fragrância padrão em torno de 5 euros.

Visitação

De seg a sáb: das 10 às 19 h
Domingo:D das 11 às 16 h

Entrada: 5 euros [ com possibilidade de agendamento de guia em português - verifique antecipadamente ]

Localização

Endereço: Obenmarspforten 21, 50667 Köln

Os mil graus de Munique
[Palestra]: Empreendedorismo brasileiro na Alemanha
Tatiana Vieira
Tatiana Vieira
Autor
Tatiana Vieira é Designer Gráfica, de Moda e Ilustradora. Tem a mochila sempre nos ombros - seu studio-capsula -, onde elabora projetos pela Etérea Design. Observa tudo com seus olhos grandes, tal qual o mundo, que ela vê como o seu quintal, terreno fértil de inspiração em que divide diariamente suas experiências no projeto "O Mundo é o Meu Quintal", onde ocorrem "As Viagens de Süssie".

Comentários

Cadastro Login
Login com rede social
ou
Esqueceu a senha?
Cadastro Login
Login com rede social
ou
Uma confirmação será enviada por email
Cadastro Login
Cadastro